Série Como Funciona: Pedais de Boost

Blog do Music Jungle

Por Equipe Music Jungle em 09 de Fevereiro de 2017

 

 

Salve salve leitores e leitoras do blog da Music Jungle!

GuilhermePicafio na área trazendo pra vocês o primeiro capítulo da série como funciona, onde o assunto da vez são as boas e velhas latinhas que a gente tanto gosta.

            Então, já chega junto... Que hoje é dia de falarmos sobre como funciona um Pedal de Boost.

 

Level Up v1: booster da Mr Cut Custom Handmades

 

            Na primeira vista, vamos analisar ele como ferramenta no nosso set, e mais pra frente vamos entender o que acontece lá dentro.

            Inicialmente, para entender a necessidade de pelo menos um pedal de boost no seu setup é válido entender o que realmente um boost faz, correto? Então vamos as definições.

 

           "Um boost nada mais é do que um módulo amplificador, com o intuito de aumentar a amplitude do sinal de entrada."

           

            Conceito simples, não? Pois então, agora imagine a quantidade de possibilidades onde você gostaria de mais um pouquinho de sinal para chegar no seu timbre...

            Um boost é ótimo para aumentar a eficiência de etapas de drive (tanto de pedais quanto de amplificadores), pois com maior amplitude de sinal, maiores são as possibilidades de dinâmica do drive. Vide a boa e velha técnica de aumentar o volume da guitarra para conseguir aquele crunch a mais.

 

Level Up v2: Booster da Mr Cut Custom Handmades

 

            Primeira conclusão: O boost na frente de qualquer equipamento servirá como um holofote . Drives com um drive na entrada ganham mais dinâmica, pois você acrescentou um controle de amplitude de sinal a mais pra brincar com a dinâmica e sensibilidade do equipamento.

Um boost pode te ajudar muito com um problema clássico: A perda de sinal.

Não cabe aqui discutirmos as infindáveis causas de perda de sinal num set, assim, vamos à um exemplo simples: Você tem um pedal “comedor de sinal”.

Um boost logo depois dos famosos pedais comedores de sinal, é a solução cirurgica para garantir a sua amplitude de volta. Você vai lá e ajusta o ganho do boost até cobrir a perda e um abraço.

 

            Segunda conclusão: Um boost pode servir para remediar qualquer perda pontual de sinal na cadeia.

            Até agora, falamos apenas de boosts que teoricamente aumentam a amplitude do seu sinal preservando completamente as características do seu timbre. Imagine a possibilidade de “boostear” bancos de frequências específicos.

            Esses são os famosos “boosts coloridos”, e são uma mão na roda para efetuar casamentos (guitarra-amplificador), onde você pode saturar frequências específicas, ou equilibrar o conjunto dando um gás para as frequências que estão menos presentes.

            Jogue a primeira pedra que nunca ouviu o maravilhoso casamento de um JCM800 com um mid boost.

           

            Para terminar (juro)! Um último exemplo.

             Sabe aquele momento que a luz cai sobre você, e chegou a hora de aparecer pra valer? Ou seja: Solo-Time!

            Coloque o boost no final da cadeia para pegar todo o seu sinal para ganhar os decibeis necessários para garantir o seu destaque.

 

            Conclusão final: O que você está fazendo da vida sem um boost no seu set?    

            Lembre-se sempre, boost nunca vai te atrapalhar, ele é uma ferramenta essencial para te ajudar a resolver problemas corriqueiros no set, na gravação ou no show, assim, garanta pelo menos um boost contigo e tenha o prazer de testa-lo nas em todas as posições possíveis da cadeia para experimentar suas diferentes atuações no som e timbre.

 

            Vista as grandes possibilidades no uso de um simples boost, fico aqui com a promessa de no próximo artigo trazer pra vocês esquemáticos e análises de alguns clássicos projetos de boost para que possamos aprender um pouco com o que está lá dentro das latinhas.

            Pra quem gosta de eletrônica, prato cheio heim! Para quem não é muito fã, leve como uma experiência válida, porque conhecer os circuitos de pedais e outros equipamentos fazem de nós melhores compradores e usuários dos mesmos.

            Um grande abraço à todos e faça a música acontecer!

 

 

 

Quem sou eu?

Guilherme Farias, mais conhecido como guilhermepicafio, engenheiro elétrico, desenvolvedor de produtos na empresa Mr Cut Custom Handmades, amante da história e som das boas e velhas latinhas.

Acredito que a música é o tempero mais gostoso da vida!


Comentários

Este post ainda não tem comentários... Que tal ser o primeiro?