Uma seleção de instrumentos com FRETE GRÁTIS

Pedais de Delay: o que são, como funcionam, onde vivem

Blog do Music Jungle

Por Equipe Music Jungle em 16 de Agosto de 2017

Nesse post falaremos sobre os pedais de delay. Isso, sobre um dos efeitos mais usados pelos guitarristas. Seja só para dar aquela ambiência, ou então para criar estruturas sonoras completamente novas, os pedais de Delay estão entre os efeitos mais importantes de todo board.

 

 

O que são

O efeito de delay é basicamente um eco. O que o pedal de delay faz é gravar de diferentes formas o sinal que passou por ele e tocar novamente depois de um periodo de tempo. Esse "tocar novamente" o sinal é chamado também de "feedback" (do inglês, algo como "realimentar"). O sinal pode ser então repetido diversas vezes, ou então passar novamente por esse processo de gravação, gerando um decaimento natural do eco.

Com o avanço da tecnologia, diversas formas de gerar esse "eco" foram exploradas. Lá no começo, em meados dos anos 40 e 50, usava-se fitas em loop para gerar as gravações e repetições que compõem os ecos. Nos anos 70 surgiram os primeiros efeitos de delay analógico até que em 1984 surgiu o Boss DD-2, inaugurando a categoria dos delays digitais. Saber um pouco sobre as diferentes tecnologias dos delays é uma boa forma de entender melhor como eles funcionam.

 

 

Tipos de Delay

 

Delay de Fita

Nos anos 50 surgiram os primeiros delays de fita, possibilitando uma série de novos sons e expressões que antes não existiam. É o surgimento dos "Tape Echoes". Esses delays ficaram muito populares pelo uso de guitarristas como Brian May, Jimmy Page e Syd Barett.

A tecnologia desses delays é muito parecida com as nossas boas e velhas fitas K7. Com a diferença de que aqui o comprimento da fita é muito menor e é feita em um formato de loop, com o objetivo de repetir em uma frequencia muito mais rápida o som gravado. A duração dos ecos é ajustada de acordo com a distancia entre as cabeças de gravação e reprodução, enquanto o tempo entre as repetições era ajustado de acordo com a velocidade da fita.

Os delays de fita mais famosos foram o EchoSonic (1952), o Echoplex (1959), o Echorec (1955 - que não usava fita, mas um sistema semelhante de disco) e o Roland Space Echo (1973).

 

 

 

Delay Analógico

Os delays analógicos jogam o som original da guitarra de volta ao sinal em intervalos de tempo definidos na programação do chip que compoe. Como não há nada no circuito que preserva a fidelidade dos ecos, o som vai se degradando a cada repetição. O resultado é bastante parecido com o dos delays de fita, o que acaba se tornando muito atrativo para quem busca um som mais vintage.

 

Delay Digital

O delay digital, por outro lado, pega o sinal da sua guitarra e converte em zeros e uns, criando uma réplica exata de cada nota. Os ecos soam muito precisos, mas tendem a não ter um timbre muito natural. Se você procura um delay mais preciso, com espaços entre repetições maiores e mais funcionalidades, o delay digital pode ser sua melhor escolha.

 

 

Temos um outro post em que entramos em detalhes sobre cada tipo de pedal de delay: Da fita ao digital: Qual o delay ideal para você?

 

Como funciona

 

Existem inumeras formas de usar um delay e como tudo na música, o legal é sempre experiementar e encontrar a nossa forma especial de fazer as coisas. Mas existem algumas formas de usar o delay que se tornaram famosas, como a iconônica guitarra do The Edge do U2 em "Where the Streets Has No Name". Vamos listar aqui algumas formas que os costumam ser usados.

 

Doubling Echo

O Doubling Echo é uma técnica muito bacana para dar uma dimensão a mais no seu. Basicamente você irá simular uma duplicação no seu sinal de guitarra, como se o som da sua guitarra fosse na verdade o de duas guitarras tocando a mesma linha. Para isso, você deverá ajustar o seu pedal para que as repetições sejam o mais próximas possível.

Ajuste o "feedback" de forma que o delay reproduza apenas uma repetição, o volume em uníssono com o sinal da guitarra (mesmo volume que o som sem o efeito) e o tempo em algo próximo a 50 milisegundos.

Alguns efeitos interessantes acontecem quando você faz isso: primeiro, por conta da velocidade do som, você não conseguirá distinguir os dois sinais (o da guitarra e o do delay) e assim terá a impressão de que são duas guitarras tocando em uníssono; segundo, as ondas do primeiro sinal irão interferir no segundo, causando um leve efeito de chorus. Teste, veja se é algo que te agrada e que engrandesse o seu timbre.

 

Slapback Delay

O Slapback é muito característico de gravações de country e rock n roll dos anos 50 e pode ser encontrado até hoje nos albuns do Rockabilly. A idéia atrás do Slapback é a de que todo som quando escutado ao vivo virá com algum tipo de eco, e é justamente a tentativa de reprodução desse efeito que levou à criação dessa técnica. A idéia aqui é ter um eco rápido, que lembre a forma como os delays de fita funcionavam.

Mantenha o "feedback" no mínimo, com apenas uma repetição de eco; abaixe o volume do eco para cerca de 50% do volume do sinal limpo e coloque o tempo em cerca de 80 a 140 milisegundos. Para medir esse tempo, comece do zero e pare logo que eco começa a se separar do sinal limpo, apenas o suficiente para dar aquela "chicoteada" de delay.

Veja o exemplo:

 

Simulando um Reverb

É possível simular um reverb com um pedal de delay. Artistas com o David Gilmour já ultilizavam essa técnica nos anos 70, criando ambiencias incríveis (você pode escutar o reverb feito com um Echorec na música "Time").

Para conseguir esse efeito, mantenha o "feedback" em 3 a 4 repetições, o volume do efeito na metade do volume do sinal limpo, e o tempo entre 100ms e 200ms.

Você pode conferir no video a seguir:

 

 

Colcheia Pontuada (Dotted Eight)

Essa é uma das formas mais populares de se usar o delay, criando estruturas e arpeggios complexos, usando essas colcheias pontuas entre as notas do sinal limpo. Você pode encontrar em usos icônicos do delay, como na música "Where The Streets Have No Name" do U2 e em "Cathedral" do Van Halen. Existem milhares de variações para as maneiras como reproduzir esse efeito e aqui vamos abordar a maneira que achamos mais agradável e que mais se assemelha às músicas acima.

Mantenha o "feedback" em 3 a 4 repetições, e o volume do eco no mesmo nível que o volume do sinal puro. O tempo terá que ser sincronizado com o tempo da música - aqui um tap tempo te ajudará muito a colocar o tempo na mesma batida da música. Tendo o pedal ajustado, agora é questão de prática: você terá que tocar entre as repetições, garantindo que tudo fique dentro do tempo da música.

Veja um exemplo:

 

 

Onde vivem

Assim como todos os outros efeitos, você encontra mais de 100 modelos de Delays aqui no Music Jungle, novos e usados.

Confira no banner abaixo:

 

 

Sabendo dessas informações aí em cima já te dara uma série de munições para dar um gás no seu timbre!

No próximo post falaremos sobre os pedais de delays mais famosos e icônicos.

 

 


Comentários

Este post ainda não tem comentários... Que tal ser o primeiro?

Vistos Recentemente

{{item.titulo}}

Não disponível

opções de compra a partir de
Mais Vendido
(()
()
()
()
()
()
()
()

O que nossos clientes estão falando sobre nós:

Em 21 de Maio de 2018

.a

Nicolas Da Mota Leal

Produto: Violão Eletroacústico Folk Stnt Hmf250 Hofma Xlr Canon

Em 19 de Maio de 2018

muito bom! compra realizada, instrumento em mãos, parabéns pelo excelente atendimento! recomendo

Elvio Piovesani de Oliveira

Produto: Shelby by Eagle Soprano Su21m

Em 11 de Maio de 2018

bom som p iniciantes

Simone Meira Rodrigues dos Santos

Produto: Kit Violão Acustico Start N-14 Nt Giannini Capa+palhetas

Em 11 de Maio de 2018

Ótimo violão.

gabriela souza magalhaes

Produto: Violão Infantil Marvel Capitão América Acústico 1/2 Vim C1

Em 09 de Maio de 2018

Muito bom

joao hott

Produto: Ukulele Concert 23-k Tagima Natural Fosco Mahogany

Em 09 de Maio de 2018

Atendeu às expectativas!

Matheus Lage

Produto: Violao Tagima Aço California Natural