Estudos mostram que baixistas são os membros mais importantes de uma banda

Blog do Music Jungle

Por Equipe Music Jungle em 14 de Novembro de 2017

É estranho que o baixista seja um dos integrantes mais negligenciados na música moderna. Pelo menos do ponto de vista do ouvinte, pois as bandas geralmente buscam ativamente baixistas muito bons, porque reconhecem seu valor.

Os baixistas são importantes não só na química da banda, mas são parte integrante da criação de um som sólido. Mas mesmo com essa importância, é muito difícil vermos esse integrante recebendo o destaque que merece, ao contrário dos guitarristas, quantos bons baixistas você consegue lembrar do nome de cabeça?

Sua lista pode ter nomes como John Paul Jones (Led Zeppelin), Flea (Red Hot Chil Peppers), Geddy Lee (Rush), John Myung (Dream Theater), e muitos outros… isso porque não mencionamos o Sting. Se o público costuma não lembrar desses nomes, a ciência não os esquece.

Um estudo feito na Universidade de McMaster em Hamilton, Ontario, determinou a importância de timbres mais baixos para os ouvintes de música. O resultado, publicado na revista National Academy of Sciences, foram muito surpreendentes.

O estudo observa que a música contém frequências em todo o espectro auditivo. Você não precisa deste estudo para saber que a informação melódica mais importante é realizada pela frequência mais alta, como a voz principal e guitarra, e a informação rítmica mais importante é feita pela frequência mais baixa, ou seja, o baixo.

No estudo, os participantes ouviam pessoas tocando instrumentos com frequências mais altas e baixas simultaneamente, com os instrumentos às vezes mudando o tempo, o ritmo ou afinação.

Eles descobriram que os ouvintes podiam detectar com mais facilidade quando as frequências mais baixas estavam fora do ritmo, indicando uma melhor percepção do tempo para frequências mais baixas em comparação com as mais elevadas.

Outro estudo foi feito na Universidade McMaster no Canadá, eles descobriram uma das razões pelas quais as notas do baixo parecem desaparecer na estrutura melódica. Isso acontece porque os timbres mais baixos em um ritmo são mais fáceis de compreender. Então, é mais difícil para nossas mentes discernir de onde a linha de baixo está fluindo.

Como os nossos cérebros são intuitivamente sincronizados com freqüências mais baixas, nós percebemos com muito mais facilidade quando um baixista está tocando fora do ritmo. Algo que não acontece com os timbres mais altos, permitindo que os guitarristas e vocalistas se percam um pouco com o ritmo da música sem serem notados.

O que isso significa? Significa que, tanto os integrantes da banda quanto os ouvintes estão mais propensos a ouvir erros de timbres baixos do que agudos. Os dois estudos mostram que um erro de um baixista é muito mais perceptível para os ouvintes do que um erro de um guitarrista, valorizá-los então é algo essencial.

Parece que a música “All About the Bass” (tudo é sobre o grave) estava muito correta no final não é mesmo?